💧 Qual a origem da água tônica?

💧 Qual a origem da água tônica?

A história da água tônica começa no século XVII, quando os colonos espanhóis descobriram um tratamento para a malária na casca da quinaquina. Um relato insiste que a condessa de Chinchon, a esposa do vice-rei peruano, levou a casca para a Espanha por volta de 1640, depois de salvá-la da malária. Outro propõe que um missionário jesuíta chamado Barnabé de Cobo fez a primeira entrega transatlântica em 1632.

Qualquer que seja o caso, a casca do solo ficou conhecida como “pó da condessa” e “pó jesuíta” em toda a Europa. No século XVIII, Carolus Linnaeus escolheu classificar a árvore quinaquina como gênero “cinchona”, em homenagem à lendária senhora.

Industrialização

Em 1817, os cientistas franceses Pelletier e Caventou descobriram um método para extrair o quinino, composto mais poderoso da casca, antes do desenvolvimento de drogas sintéticas mais eficazes. Eles rapidamente estabeleceram uma fábrica para produzi-lo e venderam a droga para prevenir a malária. Já em 1825, oficiais britânicos na Índia criaram uma maneira de tornar mais agradável sua dose diária amarga. Combinaram-no com água, açúcar, limão e gim vendidos, inventando um potente precursor do clássico Gin & Tônica. Garrafas de água de quinino adoçado logo apareceram, para serem bebidas com ou sem o álcool. A água tônica carbonatada foi introduzida no final do século XIX.

Com muitas colônias em áreas propensas à malária, os ingleses e os holandeses precisavam de grandes quantidades de quinina. A colheita excessiva levou as cinchonas à beira da extinção e o quinino tornou-se tão valioso quanto o ouro. Ansiosos por encontrar uma maneira de suprir sua própria demanda, tanto os britânicos quanto os holandeses contrabandearam sementes de cinchona da América do Sul, em meados do século XIX. Os holandeses, no entanto, mostraram-se mais aptos a cultivar as árvores. Pela Primeira Guerra Mundial, os holandeses quase monopolizaram o comércio de quinino de suas plantações em Java.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses ocuparam Java, criando uma necessidade entre as nações aliadas para uma nova fonte de quinino. As cinchonas foram plantadas na África enquanto os cientistas tentavam criar uma variedade sintética. Ambas as iniciativas foram bem sucedidas: hoje, o quinino mais natural vem da África, enquanto que alguns tipos de quinina são sintéticos.

Versão moderna

A água tônica tornou-se muito menos terapêutica ao longo dos anos. Quando foi produzido pela primeira vez para uso medicinal, continha uma dose prescrita de quinina muito grande para beber ocasionalmente. Hoje, por lei, a água tônica deve conter menos de um décimo de grama de quinino por litro. No entanto, mesmo em pequenas quantidades, o quinino é considerado benéfico para estimular a digestão e aliviar as cãibras musculares. Por outro lado, a ingestão excessiva de quinino pode causar efeitos colaterais.

Para os aficionados por coquetéis, é um tabu, uma substância que acredita-se dominar as sutilezas dos licores de prateleira. Essa é apenas uma das razões pelas quais muitos mixologistas insistem em fazer sua própria água tônica, “O xarope de milho com alto teor de frutose não é apenas prejudicial à saúde, mas também lhe dá uma ressaca. O gim é injustamente culpada pela dor de cabeça. Não é o gin. É que 99% das pessoas bebem gim com tônico adoçado com HFCS, que tem três vezes mais açúcar que qualquer suco de fruta.”

O tônico caseiro ainda é agradavelmente amargo, mas muito menos doce e com menos calorias. Como misturadores de coquetel, eles permitem que o perfil de sabor do gim passe. Qualquer um dos gins aromáticos realmente mostra suas coisas com um tônico caseiro. Você pode realmente sentir muito mais as características florais do gim, e as diferentes ervas, raízes e especiarias, em vez de apenas o sabor do zimbro.

Onde comprar?

Confira todas as opções de água tônica na Espaço Prime!

Fonte.

Compartilhe

Compartilhar facebook
Compartilhar twitter
Compartilhar whatsapp
Compartilhar email

Deixe um comentário

pt_BRPortuguese
es_ARSpanish pt_BRPortuguese