🍻 Ceva de Mina, cerveja artesanal de Floripa!

🍻 Ceva de Mina, cerveja artesanal de Floripa!

No último final de semana (22 de set), durante a Fatto a Femme, conversamos com a Glaucea, produtora e fundadora da Ceva de Mina, que nos apresentou o projeto, e o melhor, a cerveja.

Etiqueta que acompanha cada Ceva de Mina.

No dia, a cerveja era uma Session IPA de 5,4% e IBU de 56, que vem anotado na etiqueta. É feito assim devido à constante variação das receitas, o que torna cada Ceva de Mina diferente.

Confira aqui nossa conversa!

Qual foi a ideia?

“A ideia surgiu com um grupo de escaladoras que tinham muita vontade de beber uma cerveja feita por mulheres, bem como vontade de fazer sua própria cerveja. Pois, no fundo, acreditamos que as mulheres são capazes de produzir coisas como os homens…
E que desta forma poderíamos nos fortalecer, fortalecer outras mulheres e resgatar este saber ancestral que é nosso. Afinal, quem produzia a cerveja na antiguidade eram as mulheres e depois os homens se apropriaram deste saber […]”.

E como vocês começaram?

“Éramos um grupo de escaladores que andávamos por aí pra escalar e os meninos da Cervejaria Bugio levavam garrafas de cervejas pra compartilhar com todos… como nosso point de encontro era a antiga Ekos boulder, onde a cervejaria bugio estava se instalando (atual Caverna Bugio), sempre bebíamos cervejas dos meninos. Um dia, após o treino, estávamos reunidos e uma das meninas puxou o assunto de que precisávamos de uma cerveja feita por mulheres, por que só consumíamos cervejas feitas por “minos” e precisávamos de uma cerveja feita por minas. Aí a gente se olhou e disse “vamos fazer uma cerveja, nós mesmas!”. Todos riram, mas a ideia ficou.
Naquele mesmo dia ficamos divagando sobre possíveis nomes, e eu e mais duas amigas chegamos a este nome que temos hoje… era a legítima “ceva de mina” saindo do forno.
Nosso amigo Skol apoiou muito a ideia e se disponibilizou a nos ensinar a fazer nossa própria cerveja, e se caso gostássemos poderíamos investir em nossos próprios equipamentos… e foi o que aconteceu. Fizemos as primeiras brassagens com ele e com o Pietro (antiga Cervejaria Rabiosa) para aprender, e logo começamos a investir em nossos próprios equipamentos. Foi 6 meses de estudos, trabalho e investimentos até surgir nossa Home Brewery”.

Como foi o processo?

“O processo de montagem foi longo e de muito estudo… fiz praticamente tudo sozinha. Estudei sobre como montar uma Home Brewery — e estes estudos envolvem elétrica, hidráulica, cálculos de vazão… bem como eficiência do equipamento e outras coisas — além de muito investimento monetário, já que os equipamentos para a este tipo de produção, tem custo alto.
Minha ideia de estudar e montar tudo foi justamente para diminuir custos e ficar mais viável para produzir… tanto que demorei 6 meses pra conseguir tirar a primeira brassagem. Falo isso em primeira pessoa, porque realmente foi… minhas amigas não tinham tempo de se envolver e acabaram desistindo no meio do processo, pois viram que era bastante trabalho e envolvimento para conseguir ter uma cervejaria. Aí ficamos eu e outra amiga, que acabou saindo um ano depois. Realmente, fazer cerveja não é pra qualquer um(a)! Precisa de muito tempo, dedicação, vontade e motivação.”

E quem faz a cerveja agora? Só você?

“Atualmente as chefes da cervejaria Ceva de Mina somos eu e minha irmã, Paula, porém, temos outras amigas que sempre participam das brassagens. Como nosso intuito é sempre fortalecer as minas, sempre que precisamos de algo relacionado à cervejaria, optamos por trabalhos feitos por mulheres.”

Como é a produção da cerveja?

“Existem vários processos de brassagens. No meu caso, utilizo um sistema tri-bloco por gravidade, ou seja, aquecemos a água na panela mais alta (a uma determinada temperatura para chegarmos a temperatura ideal para o estilo de cerveja que estamos fazendo). Daí largamos a água na panela intermediária onde temos o malte moído e fazemos a mosturação. Após esse processo, fazemos a recirculação e lavagem do malte e largamos o mosto na panela mais baixa para a fervura. Então, resfriamos o mosto por contrafluxo e mandamos ele para o fermentador, onde inoculamos o fermento e deixamos por cerca de 7 dias nesta etapa, com temperatura controlada de acordo com o estilo que estivermos fazendo.
Após esse período, baixamos a temperatura para a maturação primária e depois baixamos novamente para maturação secundária… Depois deste procedimento, embarrilamos, carbonatamos e engarrafamos para comercializar em alguns bares e restaurantes, além de atender nossos amigos e clientes assíduos… fazemos feiras e eventos com os barris também.”

Quais ingredientes são usados?

“Nossos ingredientes são selecionados e importados para manter a qualidade de nossa cerveja. Gostamos de inovar, criar variações dentro dos estilos existentes, buscando novos aromas e sabores…
Acreditamos que a arte de fazer cerveja vai além de um simples processo. É uma alquimia no qual podemos variar e inovar, trazendo novas especificidades em nossas cervejas. Por exemplo, a última brassagem que fizemos foi uma saison (estilo belga) com açafrão (cúrcuma) no final da fervura e adicionamos cupuaçu na maturação… ficou uma delícia e bem diferente do que encontramos no mercado. Também gostamos de cervejas mais lupuladas, ou seja, com gosto e aroma do lúpulo mais saliente, já que mundialmente as mulheres têm paladares mais aguçados para estes estilos…
Gostamos também de usar frutas para inovar em nossas receitas.”

Onde é feita?

“Como falei anteriormente, é uma Home Brewery, ou seja, produzimos em nossa própria casa mesmo. Nossa ideia é, bem em breve, produzirmos em uma cervejaria para conseguirmos tirar o mapa e demais legalizações.
Nossa casa fica no bairro Itacorubi, em Florianópolis.”

Então Glau, quais são os objetivos para a cervejaria?

“Nossos objetivos são todos estes que já citei, tanto valorizar cada vez mais o trabalho das minas, fortalecer em redes de apoio feministas, resgatar cada vez mais os saberes ancestrais, que são nossos e que foram apropriados por homens, e etc…
Pretendemos também, obviamente, melhorar cada vez mais nossos estilos, inovar sempre, usando estilos e formas diferentes de fazer cerveja, bem como aumentar a produção. Pretendemos fabricar lotes maiores para termos maiores capacidades de distribuição e expandir o mercado cervejeiro feminista e de apoio às produtoras mulheres.”

Como podemos comprar?

“Temos alguns pontos de vendas no campeche, centro e trindade. Porém, vocês podem comprar diretamente conosco, pelas redes sociais. Sigam-nos no insta @cervejacevademina, ou no Facebook @cevademina, nos envie um direct e tire suas dúvidas! Será um prazer trocar ideia sobre cervejas com vocês :)”

Deixe um comentário

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
pt_BRPortuguese
es_ARSpanish pt_BRPortuguese